Boscodonordeste

PARABAIANO - Paraibano criado na Bahia, colocando letras em movimento

Textos

Riqueza não compra tudo
Na época das mil e uma noites, um sultão das arábias avisou que iria fazer uma viagem pelo deserto, até a cidade distante cinco dias do local do seu castelo, para ir buscar mais cinco servas para se juntarem às suas esposas.
Para influenciar as mulheres, queria mostrar seu poder e posses levando o seu camelo cheio de ouro em braceletes, brincos e joias de uma forma em geral. Marcou com dois súditos que iriam fazer a sua segurança, a comida e o alojamento durante o percurso, alertando para o perigo da viagem, e que só levassem o estritamente necessário, para não cansarem os camelos, pois no trecho que iriam viajar não havia local de pousada ou qualquer Kibutz com áreas verdes.
Muito cedo da manhã saíram em direção ao deserto, e quando o sol já estava muito alto ao meio dia, depois de dez horas de viagem, o sultão teve sede. Procurou o cantil ou saco de água no seu camelo, mas percebeu que havia se esquecido de trazer, pois água naquelas plagas era o líquido mais precioso para cumprir a distância com saúde. Só havia se preocupado em colocar as joias nas sacolas do seu camelo.
Virou para o súdito Razec e tento negociar:
- Quanto quer para me vender a água do seu cantil? Dou 10 pratas.
Razec respondeu:
- Senhor, eu só trouxe a água suficiente para a viagem dos cinco dias. Se eu a vender, vou morrer de sede.
O sultão virou-se para o outro lado e fez o mesmo pedido ao súdito Oren, mas a resposta foi idêntica do outro. Como poderia vender alguma coisa que seria fundamental para a sua sobrevivência?
O sultão então se viu numa situação complicada. À medida que a viagem ia transcorrendo, ele aumentava a oferta para 100 pratas, e nada. Aumentou para 500 pratas, e nada.
- Razec e Oren, ofereço-lhes todo o ouro que estou levando, pois já estamos no fim do segundo dia e as minhas forças estão se esgotando. Cedam-me um pouco da água de cada um e dividam entre si toda a riqueza que está neste meu camelo.
Os dois ficavam balanceados pela oferta, mas chegaram a uma triste conclusão:
“Em vez de morrer somente um deles de sede, iria morrer os dois. O Sultão pegaria a água e poderia voltar para casa com o dobro da água restante. Se o sultão morresse, tudo iria ser deles mesmo”. Por isso a resposta foi não!
Já estava começando o terceiro dia, e o sultão ameaçou:
- Quando voltarmos vou mandar matar vocês.
Ainda teriam dois dias de viagem pela frente. O Sultão caiu desfalecido do camelo. Os dois súditos pegaram todo o ouro, enterraram o corpo do morto e fugiram para outras cidades mais distantes, onde compraram fazenda e animais para reproduzir e vender. Nunca mais foram vistos na região.
Moral da lição: Riqueza não compra tudo.
João Bosco do Nordeste
Enviado por João Bosco do Nordeste em 08/09/2014
Alterado em 08/09/2014
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (boscodonordeste). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras