Boscodonordeste

PARABAIANO - Paraibano criado na Bahia, colocando letras em movimento

Textos

A pousada do inferno
Ele pensou que a engrenagem
só rolaria em seu favor.
Esse farsante andante
no seu mundo enganador.

Olhando pra todo lado
só lhe mostravam riqueza.
eram os seus aloprados,
Tudo virou avareza.

As suas mãos sujas de óleo,
as algemas enfeitaram,
o triplex é uma vergonha,
nos sítios que lhes doaram.

De uma com murros na mesa,
e gritos trincando os dentes,
duas cobras venenosas
ficaram logo doentes.

Pensando de estar por cima,
caixa dois perdeu a rima,
o inimigo foi o seu ringue,
de cima e de baixo para cima.

Na lama viram os maus feitos,
precisou ser lavado a jato,
humilhado apagando as provas,
foi reprovado de fato.

Sua estrada é solitária,
pensou que todos eram otários,
no seu caminho deserto,
com os amigos salafrários.

Pensando ser imortal,
virou uma jararaca,
esqueceu do seu rabo preso,
na cabeça da matraca.

O diabo trouxe-lhe a conta,
para pagar no fogo eterno,
e com o seu ar superior,
foi pra a pousada do inferno.
João Bosco do Nordeste
Enviado por João Bosco do Nordeste em 25/06/2015
Alterado em 12/03/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (João Bosco da Silva (Boscodonordeste)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras