Boscodonordeste

PARABAIANO - Paraibano criado na Bahia, colocando letras em movimento

Textos

Amor e o desejo – o que vem primeiro?
Os verdadeiros homens primeiro desejam, e somente depois vão amar. O desejo sempre nasce antes do amor. Ninguém ama o que não se deseja. A alma existirá eternamente estando do corpo separado? Assim também é o amor: quanto mais interior, mais permanecerá vivo.
A idade da mulher de um homem só é igual a do homem que envelhece junto de uma só mulher. As idades andam juntas e ninguém percebe a do outro passar com o tempo, são assim como duas bandas de uma lua crescente.
Dona Lua (Luana) e Seu Céu (Celso) eram assim. Casal de uma só pessoa.
Casados e com dois filhos Cela e Luso – nomes do resultado da união dos nomes dos pais, como era uma tradição. O casal e os filhos sempre foram muito felizes.
O namoro teve início num parquinho da quermesse da igreja, na festa do padroeiro, chegando praticamente no mesmo instante no carrinho de pipoca. Eles se olharam e imediatamente se flertaram, ambos com uns 15 anos. Estavam com desejo de comer pipoca ao mesmo tempo, e começaram um diálogo:
- Você gosta de pipoca? – perguntou ele.
- Gosto, sim. – confirmou ela.
- Que bom. É uma coincidência. Você vai andar em algum brinquedo?
- Gosto mais da roda gigante. Tenho medo dos brinquedos ligeiros e de terror.
- Que bom, porque eu também gosto. – ele encerrou o papo.
Cada um pegou a sua pipoca e ele, num atitude de cavalheiro, como era a tradição naquele tempo, pagou as duas.
Ali mesmo ela agradeceu e saíram, cada um para seu lado, procurando reencontrar seus parentes. Ela não tirava da mente aquele rosto e aquela voz, e ele parou e ficou olhando os passos dela se afastando e de vez em quando olhando para trás.
Passados uns 15 minutos ele foi ao caixa e comprou o ingresso para a roda gigante, pensando no gosto daquela menina. Pensou alto:
- Quem sabe eu a veja lá de cima, ou a encontre naquele brinquedo também.
Era aumentando o desejo de reencontrá-la.
Foi andando em direção à roda gigante, que de longe era tão pequena, mas a cada passo que chega mais embaixo do equipamento, tornava-se maior. Ao chegar mais próximo, percebeu que havia uma longa fila. Tomou posição e ficou esperando a fila andar, olhando para todos os lados para ver se a enxergava, mas aquele rosto se escondeu no meio da multidão.
– Que pena! Acho que ela foi embora. – murmurou.
Com o passar do tempo a fila se aproximava da cerca da roda gigante, onde entrariam e teriam acesso à cadeira do brinquedo. Quando olhou para trás, conseguiu visualizá-la ali, há umas 15 pessoas antes na fila, e parecia que ela havia chegado ali naquele momento, pois antes não a avistara. Vendo também que ela o avistou, acenou e chamou:
- Meu amor, venha para cá!
Falou com o pessoal da fila que ela era sua noiva. Ninguém contestou e aceitaram a vinda dela para aquele lugar furando a fila para ficar junto do “noivo”.
Ela quase caiu de costas quando chegou perto, pois ele lhe deu um beijo no rosto e pegou em sua mão, para colocá-la à sua frente. Era o desejo de amá-la.
Ela ficou em silêncio, sem entender nada, por enquanto. Logo eles foram chamados e entraram numa mesma cadeira, para continuar vendo o mundo girar. Quando a roda começou a rodar, ela perguntou:
- Você é louco? Como você fez isso? Você não é meu noivo!
- Não? Ninguém foge do destino, e se o nosso era ficar juntos, aqui estamos. Como é o seu nome? Tem namorado? Que tipo de filme você gosta? Está com medo aqui em cima? Posso pegar na sua mão? Onde você mora?
- O que é isso? Um interrogatório? Não estou com medo aqui em cima, e não pode pegar na sua mão ainda. Mas já que é assim, também vou perguntar: Como é o seu nome? Tem namorada? Que tipo de filme você gosta? Onde você mora?
Olharam um para o outro e deram uma boa gargalhada. Naquele momento a roda gigante deu uma freada e as cadeiras balançaram. Ela imediatamente agarrou as mãos dele com medo e deram outro sorriso ainda mais forte, que lá de baixo dava para ser ouvido.
Já que estavam parados mesmo, com calma se apresentaram, trocaram informações sigilosas de origem e gostos das coisas do mundo, que a nós leitores não interessa. Foi coisa do acaso, pois por acaso ele tinha uma namorada, que naquela tarde de domingo foi na casa de uma amiga assistir um filme, e ela tinha um namorado, que estava num clube desde a manhã, jogando bola com uns amigos.
Anos depois, juntos e em conversa reservada, ela disse a ele que naquele dia teve realmente desejo por ele, e ele não escondeu também que teve desejo nela.
Daquele dia em diante, pelos mil autofalantes, eles gritavam para todo mundo ouvir que o mundo de um agora também seria também o do outro, na música, letra e dança.
- Sabe quando uma pessoa sente sede e a outra já vem com a água sem ninguém pedir? Você é assim, é tudo para mim, mesmo quando eu não te vejo. – Disse ele.
Depois de dez meses entre namoro e noivado, eles casaram.
Era o desejo de ficarem juntos.
Uma vida inteira dedicada ao amor, compreensão e respeito. Passaram os anos juntos, dois velhos unidos, com filhos criados e encaminhados, testemunhas daquele amor, a partir apenas de um sentimento: O desejo de ser feliz!
Então: O que vem primeiro? O amor ou o desejo?
João Bosco do Nordeste
Enviado por João Bosco do Nordeste em 05/08/2015
Alterado em 30/05/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (João Bosco do Nordeste). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras