Boscodonordeste

PARABAIANO - Paraibano criado na Bahia, colocando letras em movimento

Textos

Arari boia não é Arariboia
Tem gente querendo ser Arari, sabe por quê? Enquanto muitos companheiros morrem afogados quando o barco afunda, só Arari boia.

Histórico do Herói Arariboia:
Martin Afonso Araribóia (cobra feroz ou cobra da tempestade) da tribo Temiminós foi o guerreiro indígena que fez história no litoral do Espírito Santo e Rio de Janeiro, por volta de 1524, na atual Ilha do Governador, no Rio de Janeiro.
Junto com o seu pai Maracajá-guaçuna, chefe da tribo, e os demais índios gostavam de ficar na baía de Guanabara a fim de combater os ataques dos inimigos Tamoios.
Foram expulsos da ilha do Governador em 1555, seguindo para a região de Santa Cruz, na Capitania do Espírito Santo.
Em 1560 chegou de Portugal Mem de Sá, o terceiro governador-geral com muitos soldados, oportunidade na qual Arariboia fez-se aliado com as forças portuguesas, até que em 1562 fundou a Aldeia de São João, em Carapina, onde estava parte da tribo Temiminó.
Em 1564 foi lutar contra os franceses e Tamoios no Rio de Janeiro, Araribóia pretendia voltar ao Espírito Santo, mas Mem de Sá pediu para ele ficar e enfrentar novas guerras ao lado dos portugueses com a força dos índios. Então ele resolveu levar a família para o Rio de Janeiro, na sua aldeia em São Cristóvão, onde veio falecer em 1589.
Quem quis ser Jararaca, virou boia de Arari. O rabo estava na cabeça e somente um cego não percebeu.
Querer ser, nem sempre será, mesmo para quem diz que nunca viu nada e nunca fez nada, atrás das grades realmente agora não pode ver.
Cobra que paga muitos milhões a advogados, está bebendo o mesmo veneno com o qual picou instituições e País.
Arari agora nem boia mais.
João Bosco do Nordeste
Enviado por João Bosco do Nordeste em 08/01/2018
Alterado em 26/05/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (João Bosco do Nordeste). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras