Boscodonordeste

PARABAIANO - Paraibano criado na Bahia, colocando letras em movimento

Textos

O Cantor e a Maria Microfone
O CANTOR E MARIA MICROFONE

Num show musical de um grande cantor na grande cidade de Literacity, uma fã estava perto do palco assanhada, tipo “Maria Microfone”, gritando e se descabelando, juntando os dois punhos e mostrando para o artista. Ninguém entendia bem os gestos.
Era costume de o cantor deixar as periguetes subirem ao palco para dançar e cantar com ele, mas aquela era diferente. Ele conseguia ver nos olhos dela uma grande emoção.
Durante todo o show ele foi se apaixonando por aquela gatinha nova, mesmo com cara descarada de “Maria chuteira” como uma “Maria Microfone”.
Ela fazia um movimento repetitivo, levantando as mãos, mostrando os dois punhos juntos, como se estivesse presa. Ele tinha certeza que ela queria mesmo é ser prisioneira do coração dele, ficar amarrada na cama, fazendo loucuras. Será que ele estava certo? Ele gostava de fazer isso no camarim ou no hotel depois do show no hotel?
Ao terminar o show, na última música, ele a chamou ao palco e os seguranças deram passagem, como se ela fosse uma celebridade e amiga do cantor, com uma sainha que mostrava até o “bico do candeeiro”, como se diz lá na roça. Quando chegou perto, o cantor educadamente a abraçou e perguntou ao microfone, para todo mundo ouvir:
- Antes da última música eu gostaria que essa gata assanhada dissesse o que ela quer de mim e do meu coração apaixonado. O que ela quiser eu prometo agora que vou cumprir, na frente de todos vocês.
- uhuuuuuuuuuu – Gritavam as fãs em êxtase e delírio: - Fala! Fala! Fala! Fala! Fala! Fala! Fala!
A mulher subiu ao palco e o cantor, sem saber direito o que iria acontecer, pediu:
- Faça aquele movimento para a galera ver – pediu ele.
Ela juntou os dois punhos das mãos e levantou acima da cabeça. Encostou a boca no microfone que estava à sua frente ali no pedestal e disparou um grito com toda altura:
- Quero que ele assuma minha filha que ele fez comigo e não pagou a pensão até hoje, senão eu vou para a justiça e ele vai terminar assim, com as mãos nas algemas ........
- Tirem essa mulher do microfone! Gritou o cantor.
Corre, corre. Silêncio absoluto da galera. Foi um alvoroço. Ele mandou que pegassem o microfone dela e em seguida os seguranças levaram a mulher para a parte de trás do palco, aonde deram uma porção de conselhos apertados nela, que até as Marias teriam pena de ver.
Ao retornar ao microfone, o cantor disse que aquela foi uma brincadeira preparada pelo seu fã clube.
- Tudo brincadeira, viu galera?
- Ahhhhhhhhhhhhhhhh! Gritaram e deram risadas as fãs.
O show continuou, mas a partir daquele dia o cantor nunca mais deixou qualquer fã assanhada subir ao palco, mesmo porque podia ser que outros cantorzinhos pudessem aparecer em outras Marias microfones nas próximas plateias.

- Conto do autor, no Livro Rapsódia de um contador de histórias, Editora Becalete, 2018.
João Bosco do Nordeste
Enviado por João Bosco do Nordeste em 29/05/2018
Alterado em 27/11/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (João Bosco do Nordeste). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras