Boscodonordeste

PARABAIANO - Paraibano criado na Bahia, colocando letras em movimento

Textos

O pescador mudo
O PESCADOR MUDO

Numa colônia de pescadores da cidade de Literacity existia um mudo com uns quarenta anos de idade, empregado de um barco de pescas e cumpria todas as ordens do capitão, que gostava dele exatamente pelo fato de que ele ficava calado durante toda a pescaria, tanto em pescas nos rios, como também quando desciam para pescar no mar.
Sempre que alguém pedia para ele contar como ficou surdo, ele fazia uns gestos e explicava que foi um susto que tomou durante uma pescaria quando era criança e pescava com o pai, ao aparecer um grande peixe com óculos escuro na cara, fazendo com que ele caísse de costas em cima de várias peças do barco, batendo a cabeça no pontilhão da âncora.
O capitão contava, sem o mudo por perto, que na realidade se tratava de um peixe por nome de Miraguaia capturado em 1966, e que estava exposto no Museu Oceanográfico de uma cidade ao sul daquele país, inaugurado em 1953. Quando menino, ele deveria ter ido com o pai ao museu e visto o peixe com óculos, que foi colocado como uma brincadeira, e que até hoje continua lá, empalhado e com os óculos na cara do coitado.
Quando ele contava essa história, fazia todos os gestos apontando para o mar, levantando os braços e caindo de costas, machucando-se todo. Toda vez era assim. Tanto que o capitão pedia para que ninguém pedisse a ele para contar aquela história, coitado! Ensinou ao mudo que, quando alguém pedisse para contar a história novamente, pegasse uma banana e entregasse a ele, ou seja: “desse uma banana”. Com gestos explicava: “Dê uma banana para eles e não conte mais nada”. O mudo agradeceu e ficou emocionado com aquela consideração do capitão.
Certo dia, estava o capitão com mais dois amigos e o surdo pescando com raiva, pois passara 18 horas no mar sem pescar nada e já estava para anoitecer novamente. Ele queria extravasar a sua ira, mas sem saber como, então pensou, maldosamente:
- “Vou pedir para o mudo contar a história da sua mudez para esses amigos que ainda não sabem. Vamos dar muita rizada”.
O mudo estava deitado na frente da embarcação, na proa, pensando sobre o mundo. O capitão avisou aos dois amigos do que iria fazer. Chegou perto do mudo e fez os movimentos das mãos, pedindo para ele contar a história de quando ele ficou mudo.
O mudo tentou convencer o capitão que não queria fazer aquilo, de novo, pois iria cair e se machucar, mas o capitão insistiu. O mudo levantou-se, desceu uma escadinha para a parte de baixo do barco com um saco de papel.
Ficou de pé na frente dos três expectadores. Abriu o saco e deu uma banana a cada um dos três e queria subir novamente ao local onde estava deitado.
Claro que ninguém entendeu, mas o capitão disse:
- Seu filho de uma .... eu falei para dar banana quando os outros pedissem para você contar, e não eu.
A partir daquela data, o capitão nunca mais pediu para ele contar a tal história. O capitão mesmo contava, sem precisar se jogar no chão e nem se machucar.

Moral da história: mudo é um mudo e não um burro.

- Conto do autor, no Livro Rapsódia de um contador de histórias, Editora Becalete, 2018.
João Bosco do Nordeste
Enviado por João Bosco do Nordeste em 30/05/2018
Alterado em 27/11/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (João Bosco do Nordeste). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras