Boscodonordeste

PARABAIANO - Paraibano criado na Bahia, colocando letras em movimento

Textos

Winnie contra e Mandela a favor da paz.
Winnie Madikizela-Mandela nasceu em 26 de setembro de 1936, na província de Cabo Oriental (sul). Obteve diploma universitário em Serviço Social, uma vitória para uma mulher negra da época.

Nelson Rolihlahla Mandela também é natural da mesma província da esposa Winnie, nasceu em 18 de julho de 1918, foi advogado e presidente da África do Sul, de 1994 a 1999, considerado como o mais importante líder da África Negra, vencedor do Prêmio Nobel da Paz de 1993.

Aos 21 anos Winnie se casou com Mandela já com quase 40 anos, em junho de 1958, sendo ele divorciado. Viveram por 38 anos, incluindo os 27 (se considerarmos a prisão inicial de 1952 que depois foi transformada em prisão perpétua, são 29 anos) que ele esteve na cadeia na Ilha de Robben – África do Sul, durante a luta contra o Apartheid, mas depois ela seria acusada de apoiar procedimentos de tortura, sendo contrária ao engajamento político do marido, reclamando que nunca tiveram uma vida familiar, porque Mandela vivia para o seu povo, lutando contra o regime de vidas separadas, que negava aos negros da África do Sul direitos sociais, políticos e econômicos, que ele tinha como maior prioridade resolver.

Poucos anos depois do casamento, Nelson Mandela passou a viver quase que de forma clandestina, deixando-a sozinha com suas filhas, já após do seu primeiro período da longa prisão, em agosto de 1962.

Naquele tempo, ela foi alvo de intimidações e pressões, forçada a ficar em casa. Em 1976, convocou os estudantes de Soweto revoltados a “lutar até o fim”, recebendo proteção desse grupo de jovens chamado “Mandela United Football Club” (MUFC), que usavam de métodos desumanos e brutais.

Em 1990 Mandela foi libertado pelo então homem branco, chefe de governo, Frederik Willem de Klerk.

Em 1991 Winnie foi considerada culpada no sequestro do jovem ativista Stompie Seipei e condenada a seis anos de prisão, e mais tarde solta e aplicada apenas uma multa simples.

Nomeada vice-ministra da Cultura após as primeiras eleições multirraciais de 1994, Winnie foi demitida por insubordinação pelo governo de seu marido um ano depois.

Deputada em 1994 e reeleita, sua ausência no Parlamento chamava atenção, pois ela criticava abertamente o acordo histórico assinado por seu marido com os brancos, que pôs fim à segregação.

Eles se divorciaram em 1996 após um processo que revelou infidelidades.
A animosidade continuou mesmo após a morte de Nelson Mandela em 2013, pois ele, magoado, não deixou nenhuma herança para a ex-mulher.

Furiosa, Winnie iniciou uma batalha para recuperar a casa da família em Qunu (sul), mas a Justiça rejeitou seus pedidos.

Nelson Mandela faleceu em 5 de dezembro de 2013 aos 95 anos: “Eu sou o capitão da minha alma”.

Winnie Mandela faleceu em 02 de abril de 2018 aos 81 anos: “Mandela nos abandonou”.

Um universo de pesquisa ainda a ser buscado, de uma passagem a ser contada em versos e prosas ao longa da história. Aqui, somente passamos um mínimo de informações, sem julgamento desse grande universo de luta pela paz na África do Sui, e que nunca poderá ser  apagado.
Esse homem pregava a paz, não acumulava riquezas materiais e nem se envolvia com a corrupção, por isso é um grande exemplo para a humanidade.
Quem luta pela paz, às vezes encontra resistência até dentro da própria casa, mas quem tem idealismo de melhorar a humanidade, dando a sua vida como exemplo, nunca deve desistir. Nelson Mandela não desistiu.
João Bosco do Nordeste
Enviado por João Bosco do Nordeste em 26/08/2018
Alterado em 31/08/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (João Bosco do Nordeste). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras