Boscodonordeste

PARABAIANO - Paraibano criado na Bahia, colocando letras em movimento

Textos

O jegue Paminonda e a sua Anaconda.
(Prosa poética do Livro lançado em Portugal: A vida em poesia - Editora Helvétia, 2018)

Lá pelas redondezas, das matas do Sincurá,
tinha um tal de Paminonda, que infernava o lugar.
Todo mundo respeitava, o filho de Jequiriçá,
uma fera destemida, que ninguém quis enfrentar.

Quando saía à rua, despido e insuportável,
balançava bem o rabo, querendo ferir alguém.
Mandava por onde andava, de tão bravo o miserável,
dava coices para os lados, sem ter medo de ninguém.

Gostava de pular cerca, pra mexer com a vizinhança,
de nada ele tinha medo, fosse até de autoridade.
Pegava em cima com gosto, fazendo a sua festança,
em cada namoradinha, que chegava na cidade.

Mas o mal sempre se acaba, e depois da leotria,
é certo que certo dia, apareceu sua fraqueza:
podia ser Gioconda pra fazer a sua alegria.
uma fêmea especial chegando na redondeza.

Com um nome diferente, amansou o tal valente,
e no charme sensual, já chegou fazendo a onda.
Olhou bem dentro dos olhos, daquele seu pretendente,
que já foi ficando cego, nas garras da Anaconda.

Pobre foi o Paminonda, que na sua vida inteira,
nunca ficava doente, mas ficou com a apaixonada,
que pegou o jegue valente e deu logo uma rasteira,
fez-se de amante e amada, como égua descarada.

Anaconda não era égua e de besta nada tinha,
era uma cobra criada, enrolada e bem redonda.
Agarrou o animal, na armadilha bem prontinha,
acabando a lenda besta, desse tal de Paminonda.
João Bosco do Nordeste
Enviado por João Bosco do Nordeste em 22/12/2018
Alterado em 04/06/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (João Bosco do Nordeste). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras