Boscodonordeste

PARABAIANO - Paraibano criado na Bahia, colocando letras em movimento

Textos

A “coisa” na versão Baiana e Mineira.
“Eu baiano”, um dia encontrou um tabaréu vendedor de bugigangas numa cidadezinha do norte de Minas Gerais. Formado pelas “dificulidades” das estradas da vida e pelas palavras do vento, portador de uma sabedoria que dava inveja a qualquer doutor.
O nome? Nem ele sabe direito, nunca fez a coisa da identidade, mas dizia que era Chicaldo – a mãe era Chicória e o pai era Teobaldo. O povo o chamava de Chico. Casado, mas só chamava a esposa de “coisinha”, pois segundo ele, nunca perguntou o nome dela mesmo.
Sentamos embaixo de um pé de ingazeira, o cabra era calado e tinha a cara de monge e corpo de Spectreman, força do Homem de seis milhões de cocadas e mais mentiroso que He-man.
Como todo baiano conversador, “eu baiano” puxou uma conversa:
- Para você, quais são as coisas mais engraçadas que existem no mundo?
- Engraçadas eu não sei se são, mas é coisa que ninguém sabe, ninguém sabe. Por exemplo, quem plantou a primeira árvore? Não foi coisa de um lenhador. Que coisa nasceu primeiro, o pombo ou o ovo? Por que Santo Antônio é casamenteiro e nunca se casou? Entende?
As respostas eram sempre cosmorrocistas, ou seja, cosmopolitas da roça. Uma mistura de caetanês com tiririquês. Era uma tal de coisa isso, coisa aquilo etc. Continuou.
- O que você gosta mais de fazer na vida?
Ele pensou, passou os dedos indicador e médio nos lábios e disse:
- Oxente, homem! É coisar. É o mais mió bom.
- Não sei o que é coisar, mas com quem gosta de coisar, normalmente?
- Com dona coisinha. Com ela, aquela coisa é boa de coisar. E sabe de uma coisa? Vou ter de ir conversar ali com um amigo mineirinho que vai viajar com a esposa para a capital agora. Thau!
Caminhou até a estação de trem para se despedir. Encontrou o amigo tranquilo sentado olhando um jornal, enquanto a esposa comia um sanduíche. Ele começou:
- Oi amigo Tim, claro que vocês vão viajar agora mesmo.
- Uai, vou sim sô.
- Tá bão. Rapaz, estava conversando com um coisa baiano ali, e a coisa só fala oxente, uai. Que absurdo, um atraso.
- Não gosto de conversar com esse tipo de gente. Por falar nisso seu "coisinha", você já "coisou" aquela coisa que eu mandei você "coisar"?
- Coisei não cumpadi. Cheguei lá em Pernambuco, quando falei da coisa me disseram que lá a "coisa" é cigarro de maconha.
- Vixe seu coisinha, ainda bem que lá nem fui. Por "coisa nenhuma" dizem que no Rio de Janeiro a "coisa" era uma garota de uma praia.
- Ouvi dizer também cumpadi. O coisa-ruim que se afaste de nós.
O baiano que estava ouvindo a conversa de longe foi se aproximando e disse:
- Olha esse papo de vocês já tá qualquer "coisa" dentro da minha cabeça. Lê lê lê ô.
- Cuma assim?
- Já qualquer "coisa" doida dentro mexe, quete quete chiclete. Precisamos colocar cada coisa no devido lugar, afinal, uma coisa é uma coisa ...outra coisa é outra coisa.
- Será que esse baiano ficou mais doido cumpadi?
A coisa ficou feia. Interessante que em Minas Gerais todas as coisas são chamadas de trem, menos o trem, que é chamado de "coisa". A esposa estava perto, calada e comendo um sanduíche.
O cumpadi se despediu de seu coisa quando viu o trem aparecendo numa curva perto da estação. Preocupado gritou duro com a mulher:
- Mulé, come logo esse trem que lá vem a "coisa" chegando.
O baiano, foi saindo de mansinho, mansinho e deu uma grande risada. Ká ká ká.
- Depois quer falar dos baianos!
Não era para menos.
João Bosco do Nordeste
Enviado por João Bosco do Nordeste em 25/03/2019
Alterado em 07/04/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (João Bosco do Nordeste). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras