João Bosco do Nordeste
Professor Mestre em Educação e Administrador empreendedor
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Fotos Perfil Livros à Venda Prêmios Livro de Visitas Contato Links
Textos
Fiscalizando o fiscal do banco – nº VI
Observação:
Essas frases foram retiradas de relatórios que os fiscais de um banco federal faziam na década de 90, e de tão engraçadas eu fui guardando para escrever um dia, e deixar como páginas de humor de uma época que a gente era feliz e não sabia. Hoje isso não existe mais.
(Os nomes dos funcionários serão propositadamente omitidos, pois a ideia não é expor ninguém, e sim transformar as frases em momentos lúdicos. Claro que muitas foram refeitas, a pedido das gerências das Unidades)

1. Subi a cavalo, mas a ribanceira estava tão ribanceada, que o cavalo caiu. Lá se foi o fiscal ribanceira abaixo;
2. O banco financiou a irrigação para molhar a lavoura de tomate, mas se faltar água, tadinho dos tomates da feira;
3. O cavalo do cliente se soltou e saiu andando em disparada e não quis atender o seu dono. Passei quase a tarde toda correndo atrás dele para fiscalizá-lo;
4. Até que lá tinha muita água, o problema foi que lá tão juntos os animais raivosos para beber água na mesma hora do café, uns querendo comer os outros;
5. O rebanho da empresa está confinado a comer somente a quantidade de ração dentro dos limites estabelecidos pela falta de opção plantada até agora, e que ainda não nasceu;
6. Conversei com o vaqueiro acerca da cerca. Demorei cerca de meia hora até ele voltar com a explicação que para mim não adiantou nada sem a cerca. Cerca é cerca, e não uns paus enfiados, para enganar fiscais. Estou ficando é velho e não besta;
7. O valor da fazenda está muito elevado na avaliação. O valor do fundo está muito alto, mas a baixada da frente é o que não presta;
8. O mutuário dono da fazenda falou que as vacas parecem que entraram em greve, pois deixaram de dar leite por seis meses, por isso não está pagando as prestações. Eu nunca tinha visto isso. Elas não têm nem sindicato;
9. Quanto mais eu pisava forte no acelerador do bicho, mais ele entrada na lama: Carro;
10. Eu estive na fazenda e falei com o cliente sobre as aquisições financiadas. Estava tudo certo. (O gerente da agência pergunta: - Como? Esse senhor morreu no ano passado. Você viu ele?). O fiscal todo desconfiado passa a mão direita no braço esquerdo, de baixo para cima e diz: - O homem já morreu? Olhe, fiquei todo arrepiado;
11. Cheguei lá e vi que o cliente não trocou a vaca. Agora é que eu quer ver;
12. Tudo estava verde e no lugar certo, e mostrou as notas fiscais, inclusive a água que caiu da chuva estava controlada;
13. Não sei como o trator sumiu de repente, pois é muito pesado, exclusive o cliente não tem caminhão cegonha. Voando é que não saiu;
14. Na fazenda procurei fiscalizar o cavalo do cliente financiado que serviu de garantia de penhor na exposição agropecuária, mas não estava na fazenda. O vaqueiro disse que o mutuário fugiu montado no penhor;
Não sei se o cliente tem experiência pegando no pinto como atividade agrícola. O pinto só cresce se estiver com o olho do dono em cima.
João Bosco do Nordeste
Enviado por João Bosco do Nordeste em 10/09/2014
Alterado em 30/07/2015
Comentários
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Fotos Perfil Livros à Venda Prêmios Livro de Visitas Contato Links