João Bosco do Nordeste
Professor Mestre em Educação e Administrador empreendedor
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Fotos Perfil Livros à Venda Prêmios Livro de Visitas Contato Links
Textos
JOBOS_2
Na pequena cidade de literacity, no interior do Bracity, uma menina acanhada e estudiosa resolveu seguir para a capital e fazer o vestibular para o curso de história numa faculdade pública. Disse ela que deu sorte e passou, e que iria morar na capital para estudar. Afastariam da sua origem familiar, mas o futuro da filha era muito mais importante. Seria uma professora de muitas histórias.
Os pais muito preocupados com a ingenuidade da garota do interior, que aos 19 anos ainda não sabia quase nada das coisas de adulto resolveram arrendar o seu comércio de supermercado, vivendo mensalmente daquela renda, e foram foi morar na capital, alugando um apartamento para fazer com que a filha pudesse estudar e ser alguém importante na vida, voltando todos para a sua terra, com orgulho na bagagem.
A menina, muito recatada, logo na primeira semana chegou em casa com uma tatuagem de uma borboleta no pescoço. Nos dias seguintes começou a chegar muito depois dos horários das aulas, dizendo que estava estudando com as amigas. Era a modernidade chegando na casa daqueles matutos do interior.
Nos dois meses seguintes, ela apresentou quatro “namorados” aos pais, que faziam o mesmo curso. Todos, muito modernos, cheios de tatuagens, fumando, com barbas mal cuidadas e roupas quase largadas. Era moderno ser assim.
Aos pais da moça sempre se dirigiam com gírias das mais horríveis e sem respeito.
Um dia o pai chamou a menina e se manifestou preocupado:
- Minha filha, que tanto namorado é esse? Já é o quarto que você traz para a gente conhecer. Depois não dá certo e traz outro. Isso não está certo. Como estão os estudos? Já tem alguma nota de provas?
- Colé pai? Ainda não teve nenhuma aula, porque os professores estão em greve. Nós estamos estudando nas casas das colegas a situação do mundo, as consequências do aquecimento global e a crise da água no polo norte. É um barato!  Sempre sai uma merenda depois e a gente fica numa boa.
- Meu Deus! – pensou o pai. Onde eu fui amarrar meu jegue? Isso não vai dar certo.
Numa certa manhã, a mãe foi ao quarto da filha e encontrou o chão vomitado. Acordou a garota perguntando sobre o que ela estava sentindo.
- Vamos levá-la a um médico para saber o que você está sentindo.
Ao levar com o médico, ele orientou o pai da menina que ele levasse a menina numa farmácia ali perto, e falasse com a funcionária para dar um remédio para aquele enjoo. Ao chegarem na farmácia, a mulher levou a criança para uma salinha e fez algumas perguntas. Pegou um teste de gravidez e aplicou na xereca da garota. Bingo! Ela estava grávida.
Ao sair do quartinho, a funcionária deu a péssima notícia à mãe. Como iria dizer ao pai? Um homem rude, com pouca instrução e criado no interior, como a mãe?
Chegaram em casa e o pai estava sentado na janela do apartamento, olhando o movimento esquisito da cidade.
- Hum já voltaram? Passaram o remédio? O que ela tem que está dando enjoo na barriga?
A filha, já moderninha após três meses de capital explicou:
- Sabe pai, a moça da farmácia disse que o senhor é um homem de muita sorte tendo eu como filha única, e com apenas quarenta e dois anos o senhor vai ser avô. Isso não é para qualquer um. Lá no polo norte, por exemplo, não existem muitos pinguins avós com uma idade tão pouca como a sua. E na lua? Tem dia que a gente discute a seca na lua. Aliás, dizem que na lua não existe sequer um avô. Não se sabe também por que Carlota Joaquina passou a ser marca de calabresa. (não é Joaquina, é Josefina). A sociedade alternativa é uma forma de vida que existiu desde as margens do rio Eufrage e do Leão (seria Eufrates e Tigre), mas a história encobriu, somente porque Nabuco não gozou na Caldéia, ao norte da Mesopotâmia (Seria Nabucodonosor, e ao sul). Mas Nabuco não conseguiu conquistar Jerusalém (conseguiu sim) depois do Salvador nascer (foi 587 Antes de Cristo), mas que não casou e nem deixou neto para os pais dele. Sabe pai, meus amigos são mais evoluídos e querem perpetuar a espécie, como Darwin falou: crescei e multiplicai-vos. (Darwin nunca falou isso. É bíblico)
O pai gritou – Pare! Depois pensou ... refletiu ... e perguntou:
- Minha filha, pelo amor de Deus, quem é o pai dessa criança? Quando aconteceu?
- Meu pai deixe de fazer perguntas difíceis. Como eu vou saber? Na sociedade alternativa quem está em cima sobe, quem está em baixo desce. É o rasgatanga.
O pai detonou:
- Acabou a faculdade ... acabou a tranquilidade ... acabou a moralidade ... acabou ... acabou. Vamos voltar para casa, em nossa cidade. Vou pedir de volta o meu comércio e vamos entregar este apartamento aos donos. Eu poderia comprar um revólver e matar o descarado que fez isso com você, mas a faculdade tem muitos alunos e eu poderia cometer alguns crimes sem necessidade, matando muitos inocentes.
- Se for menino, vamos colocar o nome de “orgulho”, pois é com ele que você vai voltar para a nossa cidade. - Disse a mãe.
Poucos dias depois, a menina ainda estava de cama vomitando. Os pais arrumaram os “panos de bunda” e voltaram para de onde nunca deveriam ter saído.
Moral da história: Água de cachoeira abaixo, fogo em tanque de gasolina acima e quando uma mulher maluca não pensa com o cérebro, ninguém segura.
(Esta é uma obra de ficção)
João Bosco do Nordeste
Enviado por João Bosco do Nordeste em 25/04/2015
Alterado em 05/04/2016
Comentários
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Fotos Perfil Livros à Venda Prêmios Livro de Visitas Contato Links