João Bosco do Nordeste
Professor Mestre em Educação e Administrador empreendedor
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Fotos Perfil Livros à Venda Prêmios Livro de Visitas Contato Links
Textos
As redes sociais e a liberdade de expressão
Desde o ano de 2010, com muita frequência as redes sociais no Brasil estão servindo de ferramentas na internet para conectar pessoas, seus pensamentos, ideias e manifestações virtuais em mídias escritas, visuais e verbais, possibilitando, infelizmente, que ocorram problemas contra a imagem e a vida de usuários que se interagem, podendo cair no risco de que o poder público entenda como necessário fazer uma regulamentação de comportamentos, prejudicando a comunicação de toda a sociedade, por causa de pequena minoria que não entende de regras da boa convivência, e utilizam a liberdade de expressão de um País democrático como instrumento danoso para prejudicar a outrem.
Comportamentos perversos e repetitivos contra a imagem de pessoas são conhecidos como ciberbullyng, termo estrangeiro que caracteriza a prática indevida de denegrir e menosprezar a honra e o caráter das pessoas. Aqueles que utilizam as redes sociais para interagir de forma criminosa, tentando aplicar golpes e iludir, confiam que pela distância física não poderá ser descoberto e nem punidos, por isso, o Congresso Nacional, mostrando que está se preocupando com problema, está criando leis de funcionamentos de delegacias especializadas contra esses crimes virtuais, para que os usuários lesados possam fazer as suas denuncias e ter as suas demandas atendidas.
Em 2010, um caso que teve grande repercussão na imprensa brasileira foi a divulgação de fotos íntimas da atriz Caroline Dickman na internet, sem a sua autorização, cuja prática encetou a sanção de uma lei de 2012, que ficou conhecida com nome da atriz, entrando em vigor em 2013, exigindo a reparação de agressões virtuais e identificação dos responsáveis.
Portanto, na internet nem tudo deve ser tratado como brincadeira, principalmente alertando as crianças e adolescentes, inicialmente em casa pelos pais, pela escola, pela mídia e pelo poder público, através de programas e campanhas educativas, para que todos tenham mais consciência de que as redes sociais são uma extensão virtual da sociedade, e que devem ser utilizadas com bom senso, responsabilidade, educação e respeito, evitando que ocorra no Brasil o mesmo controle governamental que prejudica a interação e relacionamento democrático entre as pessoas nas mídias sociais, como é o caso de a ditadura em Cuba, Venezuela e China, por exemplo. Amamos a democracia e a liberdade de expressão.
Quem não sabe usar bem o que tem, não vai saber o valor quando perder.
Depois não digam que eu não avisei.
João Bosco do Nordeste
Enviado por João Bosco do Nordeste em 30/11/2015
Alterado em 27/02/2017
Comentários
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Fotos Perfil Livros à Venda Prêmios Livro de Visitas Contato Links