João Bosco do Nordeste
Professor Mestre em Educação e Administrador empreendedor
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Fotos Perfil Livros à Venda Prêmios Livro de Visitas Contato Links
Textos
Uma rádio FM no interior - parte I
Existem determinados tipos de trabalhos nos quais você só pode ficar determinado tempo numa cidade, depois sendo remanejado para outra. Numa dessas cidades do interior do Brasil foi constatada a instalação e funcionamento da primeira rádio FM, uma novidade para aquele povo simples.
Era por volta de 1984, quando o proprietário, que por coincidência naquela época já era um político ligado a Brasília, como quase todas as rádios e emissoras de TV do país até hoje, adquiriu os equipamentos, comprou as instalações e duas salas do prédio na praça central, pintou, decorou e preparou o plano de mídia. Tudo estava pronto, mas faltava apenas escolher os radialistas ou repórteres para comandarem a programação.
Na cidade só existia uma rádio AM, inaugurada há apenas um ano, sem nenhuma programação ao vivo, funcionando até às 18 horas. Existia também um serviço de auto-falantes da praça, também com um nível profissional baixíssimo, tendo em vista a inexistência de colégios de segundo grau na cidade. Ali, quem terminava o primário grau parava, ou teria de se deslocar todos os dias para a cidade mais próxima, há cerca de quase 100 km de distância, mas ninguém queria se submeter, depois de estar acostumado com aquela vidinha mansa.  
Pois bem, o problema estava criado: quem comandaria aquela programação?
Como em todo início de atividade, a rádio passaria uns meses somente com “páginas musicais” durante uma parte do dia, até começarem os testes com os radialistas locais, aqueles da rádio AM, das portas de loja e do serviço de som da praça, para divulgarem notícias ao vivo e anúncio das músicas, sendo a maior parte formada de canções internacionais, afinal de contas era uma rádio FM, teria de ser diferente daquelas “atrasadas” que só tocavam coisas regionais. O dono dizia que aquele povo precisava “evoluir”.
Como em todo lugar existem um MSI - Miserável Sacaneador de Iniciantes, esse era Adão, que havia obtido um pouco mais de estudo, terminando o segundo grau aos 32 anos. Ele foi o escolhido para fazer os testes com os prováveis e novos radialistas. Juntou os três primeiros candidatos numa reunião preparatória, avisando que ele seria o diretor de jornalismo e quem digitaria as notícias, além, é claro, de preparar a seleção das músicas que seriam apresentadas durante o programa da manhã inteira, ainda no período experimental. Depois de explicar muitos detalhes, inclusive que o horário seria pela manhã, de oito às doze horas, deu uma dica:
- Quando vocês forem falar alguma palavra em inglês, onde tiver a letra “i” ou “y” você fala “ai”, como por exemplo FLY não é FLI, é Flai. Entendeu?
Por um momento houve silêncio, mas um dos candidatos respondeu:
- Ficou fácil, todo mundo compreende esse toque. Bicho é baicho. Ai uana roldi ó rende bichim.
Depois de algumas risadas, os testes começaram:
O primeiro foi Lazá (Lazarino), de dona Zezé (Maria José), numa segunda feira, dia da feira local na praça. Deveria começar com notícias locais, regionais e depois as nacionais, alternando com músicas. Pegou o papel que Adão havia lhe entregado, com muita maluquice escrita, (aquele Adão era um sacana), e falou com voz de locutor de vendedor de pamonha:
- Bom dia feirantes da feira! Esta é a rádio Bragança, falando para a cidade e cochichando para a vizinhança! Informamos a todos os ouvintes que nos ouve que hoje é segunda feira, por isso é dia de feira. Este programa é um oferecimento do Mercadinho do seu Quinca, onde você encontra de tudo. Sabão cocão, tem mais coco que sabão, passe no seu Quinca e compre essa sensação. Arroz e biotônico também tem. Galinha e ovos abatidos na hora minha senhora, é lá no seu Quinca.
Respirou, tossiu, e continuou falando:
- Vamos agora ouvir de mim algumas notícias: A primeira é que o governador trambique Dedão está pensando em trazer um colégio estadual para a nossa cidade daqui a três ou seis anos. Que absurdo! Quem quiser que acredite numa mentira miserável dessa!
Pensou por um instante: - "Tenho de ler tudo, e foi Adão quem mandou, então vou ler tudo". E continuou:
- Outra notícia: A taça do Brasil da copa do mundo de 1970, a Julio Raimete (*) foi roubada pelo ladrão no final do ano passado no Rio de Janeiro. Ela tinha quase quatro quilos de ouro e foi derretida com fogo quente, mas ainda não acharam nenhum vestígio dela ou do ladrão.
- Agora, para seguir a programação programada do programa, vamos ouvir uma página musical internacional, com Eltu João (**), a canção é Siquiline Pigeon (***).
Ele gritou: - Acabou! Solta o som gingei!

(*) Jules Rimet
(**) Elton John e (***) Skyline Pigeon).

A segunda parte está em: https://www.recantodasletras.com.br/escrivaninha/publicacoes/index.php
João Bosco do Nordeste
Enviado por João Bosco do Nordeste em 02/06/2016
Alterado em 05/01/2018
Comentários
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Fotos Perfil Livros à Venda Prêmios Livro de Visitas Contato Links